Mina dos Carris e nascente do rio Homem...


Estas e outras fotografias de "Mina dos Carris e nascente do rio Homem..." no Google+...


 

Se quiser ver as fotografias no tamanho original, clique nelas.

No Youtube de Rui C. Barbosa...

 

No WIKILoc...

 

 

O caminho que leva às Minas dos Carris é um caminho que dá prazer calcorrear, apesar de bastante pedregoso e escorregadio.  

DSC00153 313x215   DSC00152 313x215   DSC00150 313x215
...  

...

 

...

 

Ao longo do percurso avistam-se das mais belas paisagens da Serra do Gerês, onde não faltam as pontes em madeira, as quedas de água e a vegetação luxuriante destas paragens.  

DSC00001 313x215   DSC00002 313x215   DSC00002a 313x215
...  

...

 

...

  

DSC00003 313x215   DSC00004 313x215   DSC00005 313x215
...  

...

 

...

 

O início da caminhada é feito junto à cascata da Portela do Homem, ao lado da ponte S. Miguel. A cascata não é muito alta, mas o enquadramento que proporciona é magnifico. Os turistas apinham-se, normalmente, do cimo da ponte para tirar as fotografias da praxe. Como é fácil de perceber, já tomámos banho no buraco onde cai a lagoa. A profundidade é de cerca de 4 metros na parte mais funda, para onde nos podemos atirar de uma rocha. A água é límpida mas normalmente fria. 

De verão é muito agradável tomar lá banho. De inverno, só de fato de mergulho. Se está a pensar ir nesta estação, munido do respetivo fato ou até de garrafas, cuidado com o guarda florestal que está na torre. Não o vê, mas ele está omnipresente.  

O Rio Homem vai acompanhá-lo sempre nesta caminhada.  

DSC00006 313x215   DSC00007 313x215   DSC00025 313x215
...  

...

 

...

 

DSC00008 313x215   DSC00009 313x215   DSC00010 313x215
...  

...

 

...

 

Sensivelmente 30 minutos após a partida da Portela do Homem (caminho que está vedado e que fica do lado direito da cascata da Portela do Homem), chega a um conjunto de pequenas casas, que constituíam, parece, uma primeira barreira de controle das minas. Já lá tomámos o pequeno almoço num dia muito frio de dezembro. Está na Água da Pala. A ponte, nesse caminho, passa por cima do ribeiro com o mesmo nome.  

DSC00011 313x215   DSC00013 313x215   DSC00014 313x215
...  

...

 

...

 

DSC00015 313x215   DSC00016 313x215   DSC00017 313x215
...  

...

 

...

 

Pouco tempo depois passa por uma outra ponte sobre a ribeira do Cagarouço. 

A seguir existe uma parte do caminho muito sinuoso. Não se aproxime da berma. 

Passa a seguir pela ponte da ribeira de Madorno e vislumbra, do lado direito, o cabeço do Madorno por trás do qual nasce a tal ribeira.  

DSC00018a 313x215   DSC00018b 313x215   DSC00018c 313x215
...  

...

 

...

  

DSC00018 313x215   DSC00019 313x215   DSC00020 313x215
...  

...

 

...

 

Na confluência do rio Homem com o Corgo dos Salgueiros da Amoreira encontra-se no lugar da Chã do Teixo (assim chamado por, em tempos, ter aí existido um Teixo- Arbusto ou árvore da família das Taxáceas, cujo fruto é uma baga vermelha muito procurada pelas aves, que assim espalham as sementes; a madeira é compacta, homogénea, acastanhada e de bom polimento.) Trata-se de um lugar magnífico onde vê dois altos que ladeiam o tal Corgo. 

DSC00022 313x215   DSC00023 313x215   DSC00024 313x215
...  

...

 

...

 

Passada, mais ou menos, 1 e 30 hora, chega ao planalto onde o Rio Homem se divide em vários pequenos regatos. Encontra por aí uma represa que não serve para tomar banho. Irá passar a ponte das Águas Chocas e a ponte das Abróteas. Se, quase logo a seguir à ponte, virar para a direita, vai ter a Cocões do Concelinho e às lagoas do Marinho, mas não se meta em aventuras, exceto se prevenido com um mapa militar, bússola e muita persistência...  

DSC00026 313x215   DSC00030 313x215   DSC00031 313x215
...  

...

 

...

 

DSC00032 313x215   DSC00033 313x215   DSC00034 313x215
...  

...

 

...

 

DSC00035 313x215   DSC00037 313x215   DSC00039 313x215
...  

...

 

...

 

DSC00041 313x215   DSC00043 313x215   DSC00044 313x215
...  

...

 

...

 

Seguindo o caminho, aqui mais alargado, encontra-se já a uma altitude de mais ou menos, 1400 metros o que irá provocar, com certeza, falta de ar e ainda mais cansaço. Do lado direito aparece-lhe o cume que é o ponto mais alto da Serra com cerca de 1500 metros. 

DSC00047 313x215   DSC00048 313x215   DSC00049 313x215
...  

...

 

...

 

DSC00050 313x215   DSC00051 313x215   DSC00052 313x215
...  

...

 

...

 

DSC00053 313x215   DSC00054 313x215   DSC00056 313x215
...  

...

 

...

 

DSC00057 313x215   DSC00058 313x215   DSC00059 313x215
...  

...

 

...

 

DSC00060 313x215   DSC00061 313x215   DSC00101 313x215
...  

...

 

...

 

Ao fim de 2 horas chega ao portão das minas.  

DSC00102 313x215   DSC00103 313x215   DSC00104 313x215
...  

...

 

...

 

Chegando à entrada das minas, encontra o muro que vedava a entrada. Daí avista uma paisagem magnífica sobre o resto da Serra. 

As minas não são mais do que minas de volfrâmio desativadas há mais de cinquenta anos. Trata-se de um conjunto de edifícios utilizados para albergar os trabalhadores e todos os serviços de uma estação mineira completamente isolada. 

DSC00106 313x215   DSC00107 313x215   DSC00109 313x215
...  

...

 

...

 

DSC00110 313x215   DSC00111 313x215   DSC00112 313x215
...  

...

 

...

 

A par dos edifícios encontram-se os buracos muito fundos (cuidado!!!) das minas, alguns deles encobertos pela vegetação. Bem visíveis, algumas entradas das minas, bastante alagadas pela água. Veem-se, também, os carris das minas, que lhe dão o nome.  

DSC00113 313x215   DSC00114 313x215   DSC00115 313x215
...  

...

 

...

 

DSC00116 313x215   DSC00117 313x215   DSC00118 313x215
...  

...

 

...

 

Da mesma entrada da mina, virando à esquerda, sem entrar, chega à represa de água que servia para limpar o volfrâmio. Cuidado se vai aí refrescar-se, tomando um banho. É que junto ao muro da represa, a profundidade é de cerca de trinta metros!!! De inverno, não ande por cima da camada espessa de gelo que normalmente se forma. Cuidado que no meio da represa a espessura não é tão grossa como isso... Há cerca de três anos morreram, nesse sítio, várias pessoas que iam tirar uma fotografia em cima do gelo. 

DSC00119 313x215   DSC00120 313x215   DSC00121 313x215
...  

...

 

...

 

DSC00123 313x215   DSC00124 313x215   DSC00125 313x215
...  

...

 

...

 

Seguindo o muro da represa consegue chegar à parte do fundo, onde a água sai para tomar a caminho das minas. Consegue chegar, também, à parte da serra onde pode avistar, ao longe, a nascente do Rio Cabril e, mais ao longe ainda, Pitões das Júnias. Não se chegue muito perto do precipício que existe por aí.

DSC00128 313x215   DSC00129 313x215   DSC00130 313x215
...  

...

 

...

 

DSC00136 313x215   DSC00137 313x215   DSC00138 313x215
...  

...

 

...

 

DSC00144 313x215   DSC00145 313x215   DSC00154 313x215
...  

...

 

...

 

Não se esqueça que está muito perto de Espanha. 

O caminho de regresso é feito pelo mesmo sítio, sendo ainda mais difícil porque é quase sempre a descer.